06/07/1675: Carta do Donatário da Capitania do Espírito Santo, Francisco Gil de Araújo, ao Rei [D. Pedro II] a informar do estado miserável que se encontra a dita Capitania, e de intentar fazer a jornada ao descobrimento das minas de esmeraldas

Referência

APEES/AHU. Arquivo Público do Estado do Espírito Santo. Projeto Resgate da Documentação Histórica Barão do Rio Branco – Documentos Manuscritos Avulsos da Capitania do Espírito Santo (1585-1822), Conselho Ultramarino – Brasil / Arquivo Histórico Ultramarino, Instituto de Investigação Científica Tropical, Lisboa”, 1997. (2 CDs ROM). Caixa 1, Doc. n.83. Disponível em: . Acesso em: .

Créditos

Arquivo Histórico Ultramarino e Arquivo Público do Estado do Espírito Santo

Encontrou um erro?

 

06/07/: Carta do Donatário da do Espírito , Francisco Gil de Araújo, ao Rei [D. Pedro II] a informar do miserável que se encontra a dita Capitania, e de intentar fazer a ao descobrimento das minas de

Senhor.

Por Renunçia de foi vossa Alteza seruido que fosse eu Donatario da Capitania do no Brazil, porque beio os Reais pês de vossa Alteza com a sumição de uida, e logo me acho obrigado a dar conta do estado, em que está a Capitania, que hé o mais mizeravel que se pode imaginar, tudo cauzado por alguus capitaens, que a gouernarão, E ainda agora o que lá está sabindo que me estou aparelhando per hir tomar posse da Capitania, e tratar do aumento della com dispendio consideravel de minha fazenda; intenta fazer iornada ao descubrimento das esmeraldas sem ordem de vossa alteza, e sem mo fazer a saber, e me avizão, que publica ser ordem do gouernador geral deste estado, pareçeo me dar parte a vossa alteza e reprezentar as mizerias daquelles moradores, e que sera a intentada iornada, RUINA total daquella terra, sendo por estes meyos ordenada, por ser o Capitam incapas de a fazer, falto de talento, e de esperiençia, porque nunca sirvio a nossa alteza, e tam odiado que há pouco tempo que o governador geral o mandou uir por queixas do pouo, e de prezente o está molestando com CITAÇOENS, e cobranças das suas mercançiaz. Quando vossa alteza seia siruido que se faça a iornada, eu a mandare per fazer, a minha custa, porque o intereçe que só pretendo, he o Real siruiço de vossa alteza, e que se não moleste aquelle pouo, e se perca a iornada, como outras muitas que se fizerão com semelhantes extorçoens, e preços. Fico esperando a Resolução de vossa alteza per o siruir como deuo, e dezeyo; a Real pesesão de vossa alteza que Deus como seus vassallos hauemos mister em 6 de julho de 1675. Francisco Gil de Araújo.

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.